Um satélite, quando enviado ao espaço, é impulsionado por um “empurrão” dado pelos foguetes que os colocam em órbita. Ao chegar lá, eles precisam exercer uma velocidade suficiente para que nem ele colapse na Terra, nem escape da gravidade do planeta. Dessa forma, ele está constantemente imerso no campo gravitacional terrestre, que o mantém em órbita ao redor do globo devido à força centrípeta.

Isso significa que ele não flutua, mas sim está sempre caindo, descrevendo uma trajetória circular ao redor do planeta.

Então, existe gravidade na órbita? 

Muitas vezes, quando nos referimos às naves e satélites, falamos que eles estão em um espaço de gravidade nula. Porém, esta informação está incorreta. Na órbita terrestre baixa, onde está localizada a Estação Espacial Internacional e vários outros satélites, por exemplo, a gravidade ainda exerce um papel considerável.

Um satélite em órbita não está além do alcance da gravidade da Terra. Na verdade, a gravidade é o que o mantém lá – sem gravidade, ele voaria em um caminho reto. À medida que ele orbita, está sempre caindo, embora nunca chegue ao chão.

Por que um satélite orbitando não colapsa na Terra, já que ele está sendo puxado pela força gravitacional? 

Quanto mais rápido um objeto viaja, maior é a distância horizontal que ele cobre e mais suave se torna a curva de seu caminho. Uma nave ou um satélite em órbita viaja tão rápido que a sua trajetória coincide com a curva da Terra. Por isso, a distância entre ambos permanece constante.

Quando um satélite é lançado para fora da atmosfera terrestre, ele precisa atingir uma velocidade exata que o permita executar o movimento de queda constante ao redor do planeta. Aliado a isso, a força gravitacional, neste caso, exerce também o papel de força centrípeta, cujo efeito dinâmico é o de alterar a direção do vetor velocidade, responsável por mantê-lo em órbita.

Dessa maneira, caso o satélite desacelere, ou caso ele se choque com um meteoro, por exemplo, ele passaria a cair em espiral, e então colidiria com a Terra.

Como as pessoas e os objetos flutuam dentro das naves? 

Um objeto em órbita está constantemente caindo, e é justamente isso que causa a “falta de peso”. Sem a resistência do ar, todos os objetos caem na mesma proporção, e não há força entre os indivíduos e a nave para fornecer a sensação de peso. Em órbita, a gravidade age sobre você da mesma forma, portanto, você ainda tem peso. Porém, o que falta é o sentido familiar de peso. 

Quer saber mais sobre a física espacial e curiosidades por trás das viagens à órbita terrestre? Assista a live especial com o professor e diretor da Robô Ciência, Alexandre Amaral, em nosso canal do YouTube.

Sobre o(a) autor(a): Robô Ciência

Compartilhe

Deixar um comentário

Artigos relacionados

Voltar para artigos