Robótica educacional: uma poderosa aliada para o futuro

//Robótica educacional: uma poderosa aliada para o futuro

Em outros tempos, talvez pudesse se pensar que a robótica é um assunto distante, coisa – com a licença do trocadilho – para lá do espaço. Hoje em dia, em uma sociedade cada vez mais exigente e inovadora, a robótica é uma realidade que se faz presente no cotidiano de milhões de pessoas ao redor do mundo, mesmo sem que se perceba, e que só cresce e amplia seu leque de possibilidades.

O termo “robô” tem origem na peça teatral “Os robôs universais de Rossum”, de Karel Carpek, datada dos anos 1920. Na trama, o tcheco se refere aos robôs do brilhante cientista Rossum e seu filho, criados para servir a humanidade. Entretanto, esse conceito de robôs humanoides já existia antes mesmo da invenção da palavra: os primeiros registros de ideias robóticas são de aproximadamente 350 a.C, com o matemático grego Arquitas de Tarento, e o primeiro esboço de robô humanoide é de Leonardo da Vinci, por volta de 1945.

Atualmente já existem diversos robôs com diferentes funções e objetivos, desde cozinhar e limpar a casa até desarmar bombas e atuar na indústria. A parte mais incrível é que os robôs podem desempenhar papeis inviáveis ou até mesmo impossíveis para os homens, como visitar ambientes inóspitos e explorar Marte.

Essa tendência de ampliação da robótica e incorporação da tecnologia ao dia a dia é explicada pela professora Eliane Sebeika Rapcha, do departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá, que afirma que vivemos a cyber revolução, como já vivemos a revolução mecânica e a revolução elétrica. Assim, vemos que a robótica pode ser uma grande aliada dos seres humanos, cabendo a nós aprender e incorporar essa nova tecnologia em nossas vidas.

Além da ferramenta educacional, a Robótica é uma área que oferece grande potencial de desenvolvimento para o país e já nos levou muito longe. Em 2015, estudantes do Pronatec representaram o Brasil no maior evento de robótica do mundo, o Fórum Internacional de Robótica para Alunos do Ensino Médio (IRH), em Tóquio.

Por outro lado, o avanço da Robótica no Brasil ainda se arrasta, pois praticamente não se produz robôs em solo nacional e não temos um pensamento que valorize a área. Nesse sentido, devemos valorizar iniciativas como a Olimpíada Brasileira de Robótica, na qual a Robô Ciência se consagrou, em parceria com o Colégio Nossa Senhora das Neves, como a única campeã potiguar na etapa nacional. Através de torneios, mostras e projetos, plantamos a semente do conhecimento e incentivamos uma cultura que valoriza a Robótica.

Nós da Robô Ciência acreditamos que o desenvolvimento de conhecimentos múltiplos deve ser incentivado desde cedo, corroborando com o que defende o próximo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes. O astronauta advoga forte presença da ciência e tecnologia nas escolas públicas desde o Ensino Fundamental até o Ensino Médio, com aulas de Robótica e Astronomia. O percurso é longo, de fato, mas é um alento saber que, sim, estamos traçando o caminho certo, juntamente com mais de 100 escolas em todo o Brasil, na vida de milhares de crianças e adolescentes.

 

Alexandre Amaral, físico, professor de robótica e diretor da Robô Ciência

By |2018-12-03T15:25:45+00:00novembro 30, 2018|